McDonald’s, Tesco, Lidl e Nestlé entre as empresas que pedem ao governo britânico leis mais duras contra desmatamento no exterior

Compartilhe nas Mídias Sociais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Companhias querem barrar importadores envolvidos em qualquer tipo de desflorestamento —
legal ou ilegal

Os principais supermercados, produtores de gado e fabricantes de alimentos do Reino Unido, incluindo McDonald’s, Tesco, Lidl, Nandos, Nestlé, Greencore e Pilgrim’s Pride, enviaram hoje (5/10) uma carta aberta ao governo britânico em que dizem que os atuais planos para combater o desmatamento nas cadeias de abastecimento “não serão suficientes para barrar o desflorestamento” e pedem uma regulamentação ainda mais dura.

“Aplaudimos o esforço do Governo para apresentar legislação que crie condições equitativas de concorrência. Isto é um passo em frente, mas não deve ser suficiente para travar o desmatamento, e encorajamos o Governo a ir mais longe para abraçar requisitos que abordem esta questão”, diz a carta.

O documento foi divulgado no dia do encerramento da consulta do governo britânico sobre as novas leis de anti-desmatamento. A proposta de lei exigiria que as grandes empresas que operam no Reino Unido comprovassem a origem de produtos como carne, cacau, soja, borracha e óleo de palma. Seria ilegal utilizar produtos que não cumpram as leis para proteger a natureza nos países de origem. As grandes empresas do sector de alimentos, no entanto, dizem que a lei deve englobar todo tipo de desmatamento e não apenas aquele definido como ilegal no país de origem.

“A legislação proposta continuaria a permitir o desmatamento desenfreado em lugares críticos, como a Indonésia e o Brasil. Quase 90 milhões de hectares de floresta brasileira poderiam ser desmatados legalmente no âmbito desta lei – quatro vezes o tamanho do Reino Unido”, afirma Robin Willoughby, diretor para o Reino Unido da ONG Mighty Earth. Para ele, o governo britânico deve ser mais ambicioso e garantir que produtos provenientes da degradação de florestas sejam impedidos definitivamente de entrar no país. “Com a Amazônia em chamas e florestas sendo suprimidas a um ritmo alarmante, a natureza não reconhece a diferença entre a desflorestamento legal e ilegal.”

“Os planos atuais não farão o suficiente para proteger os frágeis ecossistemas que reduzirão o risco de alterações climáticas catastróficas”, firma Chris Brown, diretor de Abastecimento Sustentável da rede de supermercados britânica Asda. “Não podemos resolver este problema sozinhos e precisamos de legislação que assegure relatórios abrangentes e normalizados para cima e para baixo na cadeia de abastecimento, juntamente com incentivos para os fornecedores que avançam para uma produção mais responsável do ponto de vista ambiental”.

“O governo do Reino Unido deve dar ouvidos a este apelo e apresentar legislação que ponha fim à nossa destruição de lugares preciosos como a Amazônia”, afirma Tanya Steele, CEO da WWF, para quem esse processo deve ser concluído antes da COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), que foi adiada para novembro de 2021 e será realizada em Glasgow, na Escócia.

Abaixo, a lista completa de empresas que assinam a carta:

VAREJISTAS

Lidl

Aldi

Asda

Marks & Spencer

Iceland

J Sainsbury plc

Ocado

Tesco plc

The Co-op

Waitrose & Partners

Wm Morrison Supermarkets Plc

MARCAS

Nestle

Mondelez (own Cadbury’s)

RESTAURANTES

McDonald’s

Nandos

Sustainable Restaurant Association

Livestock producers

Eight Fifty Food Group (Young’s, Karro)

Moy Park (one of biggest chicken producers in UK)

Pilgrim’s Pride (one of biggest pork producers in UK)

Cranswick

Young’s Seafood

Manufacturers

Greencore (major food producer)

Redação Negócios Pro Br

Redação Negócios Pro Br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.