The Green Hub acelera três start-ups voltadas ao mercado da cannabis

Compartilhe nas Mídias Sociais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Centro de Excelência Canabinoide, Cannapag Bank e Jamba Estúdios são as start-ups selecionadas. Além disso, consultoria dá suporte a instituto de pesquisa

A The Green Hub, consultoria e aceleradora com foco específico no mercado da cannabis, está trabalhando na aceleração de três start-ups. O Centro de Excelência Canabinoide (CEC), a Cannapag Bank e Jamba Estúdios foram as empresas selecionadas para esse processo. O mercado legal da cannabis está em franco desenvolvimento em todo o mundo, mas, se as perspectivas de crescimento e lucratividade são grandes, os desafios não ficam atrás. Nesse cenário de estruturação, contar com respaldo especializado pode fazer toda a diferença para os negócios nos estágios iniciais.

O CEC é uma operação completa ligada ao uso medicinal da cannabis, com quatro vertentes, incluindo clínica médica e formação de médicos que desejam incorporar essa terapia dentro de sua especialidade, além de educação e conscientização da sociedade sobre a medicina canabinoide, bem como fomento e curadoria de pesquisas científicas. Marcelo Sarro, CEO do CEC, tem a missão de avançar em frentes diferentes. “Precisamos implementar ações em diversos pontos de contato. Precisamos falar com médicos e membros da comunidade científica, bem como pacientes e pessoas leigas em relação ao uso medicinal da cannabis. Desenvolver um modelo completo e abrangente traz essa premissa desafiadora e torna ainda mais importante contar com o respaldo de especialistas no setor para orientar a evolução dos negócios”, explica.

Nascida para oferecer soluções de pagamento personalizadas, a Cannapag Bank se tornou a primeira fintech brasileira para o mercado legal da cannabis. Desta forma, proporciona não só um meio de pagamento, mas um sistema completo de internet bank para associações de pacientes, estabelecimentos de saúde e consumidores, conjunto que sofria com grande índice de rejeição, além de altas taxas para transações e transferências por parte dos provedores tradicionais de serviços financeiros. Na opinião de Murilo Gouvêa, CEO da Cannapag Bank, entrar em um processo especializado de aceleração é importante para empresas de um mercado que está em formação. “Passar por essa etapa ajuda muito na estruturação, proporcionando ganho de solidez e maior respaldo, tanto para sócios quanto investidores. O mercado também é beneficiado, com empresas mais maduras e eficientes”, ressalta.

Já a Jamba Estúdios tem foco na criatividade para unir arte e informação, na produção de conteúdos que possam desconstruir preconceitos contra a cannabis. Assim, a empresa trabalha para ajudar a criar um novo cenário no imaginário coletivo, centrado nas esperanças de cura, a partir de diversos recursos como storytelling e entretenimento educacional.

Para Luiz Mandara, diretor executivo da Jamba Estúdios, a aceleração é essencial para transformar nossa ideia em um plano de negócio de sucesso, extraindo o melhor dos talentos individuais dentro da empresa. “Além de nos conectar com investidores e grandes players do mercado, a The Green Hub nos trouxe insights e dados desde a incubação à modelagem financeira. A chegada mais forte deste mercado no Brasil é questão de tempo. Estar com a empresa estruturada nos deixa prontos para assumir o desafio de ajudar empresas a lutar contra o preconceito da sociedade para emplacar a venda de seus produtos. Por meio da arte e criação cultural podemos derrubar tabus e criar o imaginário para uma nova cannabis”, enfatiza.

Segundo o diretor de Novos Negócios da The Green Hub, Marcelo De Vita Grecco, o mercado brasileiro, além de incipiente, possui muitos obstáculos. “Temos algumas barreiras importantes devido a preconceitos. Por conta disso, os empreendedores desse setor precisam entender o momento necessário de construção de bases antes do foco em rentabilidade. De outro lado, temos imenso potencial e oportunidade de evitar equívocos, considerando os aprendizados com erros cometidos em outros países que estão mais adiantados”, explica.

Além das três start-ups em aceleração, a The Green Hub está dando suporte ao Instituto de Pesquisas Sociais e Econômicas da Cannabis (Ipsec). A organização sem fins lucrativos concentrará esforços em levantar dados e informações com base na realidade brasileira. O objetivo é fomentar o debate público e ajudar a sociedade no processo decisório em relação a leis e regulamentação para aplicações da cannabis em usos medicinais e industriais.

“Estamos vendo o nascimento de um mercado incrível, com poder para transformar a vida de milhões de pessoas, ajudando o País socialmente e economicamente. Porém, entrar nesse setor exige mais que uma grande ideia. Além de veia empreendedora e profissionalismo, é preciso ser ativista para trabalhar em prol do desenvolvimento do ambiente de negócios, da cadeia produtiva e do ecossistema em seu entorno”, conclui Greco.

Além das empresas em aceleração, a The Green Hub está realizando sua segunda chamada de start-ups. Empresas interessadas podem se inscrever até 13 de novembro, no site: http://www.thegreenhub.com.br .

Sobre a The Green Hub

Primeira plataforma brasileira especializada em tecnologia e inovação com foco na Cannabis Medicinal. Sua proposta é atuar como hub voltado para pesquisa, educação e conexão entre empreendedores, inovadores, setor corporativo, academias, associações, governo e investidores para o universo da Cannabis. Nascida em dezembro de 2017, mantém parceria com a New Frontier Data, empresa norte-americana de análise de dados especializada em Cannabis Medicinal.

Redação Negócios Pro Br

Redação Negócios Pro Br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.