Cresce demanda por notícias nos meios digitais durante a pandemia

Compartilhe nas Mídias Sociais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

• Nova pesquisa revela que quase 7 em cada 10 leitores de veículos digitais no Brasil aumentaram o consumo de notícias durante a pandemia;
• Grupo Globo, UOL e R7 estão entre os principais veículos, aponta pesquisa

Nova pesquisa publicada nesta semana pela Luminate, organização filantrópica global, constatou que durante a pandemia COVID-19, 65% dos leitores de veículos digitais no Brasil aumentaram o consumo de notícias. A pesquisa mostra que 92% dos consumidores acessam notícias por meios digitais (veja a pesquisa completa aqui) pelo menos duas vezes por semana, com 83% pelo menos uma vez por dia. A pesquisa também mostra que as plataformas digitais agora respondem por mais da metade (59%) de todo o conteúdo de notícias consumido, destacando o crescente domínio das plataformas digitais1 como fontes primárias de notícias e informações.

Junto com o aumento da demanda por notícias, a pesquisa, que entrevistou 8.570 pessoas de 18 a 65 anos na Argentina, Brasil, Colômbia e México, descobriu que os consumidores no Brasil estão dispostos a pagar por conteúdo digital, 16% deles já pagando por pelo menos uma assinatura de notícias ou serviço. Embora relativamente modestos, esses números mostram que a disposição de pagar por notícias digitais entre os consumidores no Brasil é maior do que em alguns outros países, incluindo mercados estabelecidos como o Reino Unido (8%) e Alemanha (10%) e não está muito atrás dos EUA (20%)2 .

A pesquisa identificou uma série de fatores-chave que influenciam as decisões dos consumidores de pagar por uma assinatura ou serviço de notícias digitais. Para os consumidores que atualmente pagam por notícias, dois dos fatores mais importantes são a capacidade de fornecer conteúdo de alta qualidade (34%), seguida de perto pela credibilidade do veículo como fonte de informações sérias e confiáveis​​(31%). Além desses fatores, a metodologia MaxDiff3 descobriu que para todos os participantes da pesquisa, incluindo aqueles que atualmente não estão pagando pelas notícias, a independência do veículo em relação a interesses políticos ou outros interesses velados também foi importante (4.7 MaxDiff).

———————————

1 Sites on-line de veículos de notícias tradicionais, veículos de mídia digitalmente nacional, mídia social e YouTube

2 Reuters Institute for the Study of Journalism, Digital News Report 2020

3 Na análise MaxDiff ou “melhor-pior escala”, os participantes escolhem o mais importante / melhor e o menos características importantes / piores de uma lista de itens. Isso resulta em medidas de escala de intervalo que são baseadas em julgamentos comparativos que podem ser facilmente realizados, mesmo quando o número de atributos não é pequeno.

“O jornalismo independente é uma condição para democracias saudáveis, e a disposição em pagar por notícias é central para esta independência. Nesse contexto, o alto consumo e a grande abertura de brasileiras e brasileiros em pagar por assinaturas ou realizar doações a meios de comunicação são boas notícias, tanto para redações como para a democracia brasileira” argumenta Rafael Georges, representante da Luminate no Brasil

Embora a pesquisa destaque uma série de oportunidades para veículos digitais, ela identificou duas barreiras que os empreendimentos de mídia deverão considerar ao buscar atrair novos consumidores pagantes. Em primeiro lugar, a relevância do conteúdo é fundamental. Dos entrevistados que atualmente não pagam por notícias digitais, 90% dos participantes afirmaram que as informações não eram suficientemente relevantes ou não traziam diferenciais que justificassem um pagamento quando comparados a outras fontes de informação. Em segundo lugar, o custo é um grande problema, com 90% afirmando que simplesmente não estariam dispostos a pagar, especialmente se podem acessar notícias gratuitamente em outro lugar.

Outros dados notáveis ​​da pesquisa são:

• Para 1 em cada 4 consumidores R$ 30 por mês é considerado um pagamento aceitável em compra de notícias digitais

• Em média, o período de assinatura de um serviço de notícias digitais é mantido por pouco mais de dois anos (24,5 meses)

• 26% dos consumidores no Brasil estão dispostos a fazer doações voluntárias a veículos digitais.

A pesquisa foi encomendada pela Luminate – uma das principais financiadoras da mídia independente em todo o mundo, inclusive na América Latina – para fornecer informações adicionais aos veículos de notícias à medida que desenvolvem suas ofertas digitais e procuram aumentar a receita por meio de assinaturas e outros serviços pagos. Esta pesquisa é uma continuidade do trabalho iniciado com o relatório Inflection Point publicado pela Luminate e pela SembraMedia em 2017, que explorou a saúde da mídia digital na América Latina, e o lançamento do programa Velocidad em 2019, acelerador que fornece financiamento e consultoria para novas startups de jornalismo operando na América Latina.

—————————————- FIM ——————————————

Sobre a pesquisa:

Esta pesquisa foi conduzida pela Provokers, uma empresa internacional de marketing estratégico e pesquisa de mercado com presença regional na América Latina. A sondagem explorou se os leitores de notícias digitais na Argentina, Brasil, Colômbia e México estão interessados​​em pagar pelo serviço e buscou entender os motivos que contribuem para modelos de sucesso na rentabilidade de veículos digitais. A pesquisa consistiu em 8.570 entrevistas realizadas por meio de uma pesquisa online (pelo menos 2.000 entrevistas por país), 80 entrevistas em profundidade (20 por país) com indivíduos que liam notícias online pelo menos duas vezes por semana e nove entrevistas em profundidade com especialistas em mídia digital e notícias online. As pesquisas com consumidores incluíram uma amostra nacionalmente representativa de homens e mulheres, níveis socioeconômicos, idades e localizações geográficas.

Sobre a Luminate:

Luminate é uma organização filantrópica global focada em capacitar pessoas e instituições para trabalharem juntas na construção de sociedades mais justas. Apoiamos organizações e empreendedores corajosos e inovadores em todo o mundo, defendemos as políticas e ações que irão gerar mudanças em quatro áreas de impacto: Empoderamento Cívico, Direitos Digitais e de Dados, Transparência Financeira e Mídia Independente. Trabalhamos com nossos parceiros para garantir que todos tenham a oportunidade de participar e moldar as questões que afetam suas sociedades e para tornar mais responsáveis aqueles que estão em posições de poder. A Luminate foi criada em 2018 pelos filantropos Pierre e Pam Omidyar. Até o momento, a Luminate apoiou 296 organizações em 17 países com US ﹩ 378 milhões em financiamento.

Sobre a Provokers:

Provokers é uma empresa internacional de marketing estratégico e pesquisa de mercado, especializada na geração de ideias, transformação organizacional e mudança cultural. A empresa está presente na Argentina, Brasil, México, Uruguai, Colômbia, Chile, América Central e Caribe.

Redação Negócios Pro Br

Redação Negócios Pro Br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.