Primeira mulher a comandar a OMC: empreendedoras comentam

Compartilhe nas Mídias Sociais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Listen to this article
Listen to
this article
Text to speech by Listencat
Text to speech
by Listencat

Na última semana, uma notícia positiva e inspiradora para as mulheres no mercado chamou a atenção do mundo todo. A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala tornou-se a primeira mulher a ser diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). Desde 1995, apenas homens comandavam a instituição.

Okonjo-Iweala tem 66 anos e é economista especializada em finanças globais. Foi diretora de operações do Banco Mundial, onde fez carreira por 25 anos, além de ter sido a primeira mulher a comandar o ministério das Finanças da Nigéria, cargo que ocupou por duas vezes (2003 a 2006 e 2011 a 2015). A nova chefe da organização terá como missão trabalhar com os membros para abordar as consequências na saúde e na economia causadas pela pandemia de Covid-19.

Empreendedoras de diversas áreas comentam que o fato é celebrado como mais um passo dentro dos avanços das mulheres em cargos de liderança.

Para Nani Gordon, CEO e co-fundadora da fintech Cash.in , ter uma mulher à frente de uma das maiores instituições de mercado global, composta por 162 países-membros, é um feito histórico.

“Nós mulheres, já demonstramos ser um ativo gigante para o mercado. A diversidade se mostra cada vez mais eficaz e imprescindível em empresas que buscam crescimento e melhores práticas. Ter uma mulher forte, disruptiva e representativa em um espaço tão importante espelha ainda mais o movimento de igualdade e inspira a todas nós, mulheres, a buscar posições de liderança”, diz a CEO.

Para Laura Bartelle, especialista em investimentos e sócia da 051 Capital , a escolha de uma mulher para liderar a OMC pode incentivar o aumento feminino em cargos com importantes tomadas de decisões.

“É uma conquista importante. Cada vez que uma mulher se torna referência outra se inspira para também se tornar protagonista, é assim que diminuímos o gap que ainda existe entre homens e mulheres em cargos de liderança”, diz.

Carol Esteve, fundadora da Buy My Dress , primeira plataforma de vestidos second hand do Brasil, ressalta que o ingresso da primeira mulher na OMC é uma notícia que inspira e motiva.

“Quando uma mulher sobe, consequentemente, puxa outras. Esta expressão define o sentimento de ver movimentos como esses acontecendo. Uma notícia que inspira e motiva todas nós mulheres a continuarmos trabalhando, conquistando o nosso espaço, e mostrando a nossa capacidade em liderar”, diz a empresária.

Daniela Petroni, empreendedora da Puzzle Me , acredita que o ingresso de Ngozi Okonjo-Iweala na OMC ressalta a importância da representatividade na instituição.

“Ter uma mulher sob comando de uma das principais instituições de comércio do mundo mostra a representatividade, uma mudança que está cada vez mais presente no mercado de trabalho e uma conquista de efeito positivo. Apesar disso, a participação de mulheres no mercado de trabalho é a menor em 30 anos, segundo o Ipea. Temos um longo caminho a seguir, mas é importante celebrar conquistas históricas”, finaliza.

Redação Negócios Pro Br

Redação Negócios Pro Br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.